Ibama e Secretaria do Ambiente vão aumentar fiscalizações no litoral de Maricá


Representantes do Ibama e da Secretaria de Estado do Ambiente asseguraram ao deputado federal Marcelo Delaroli (PR-RJ) que serão intensificadas as operações de fiscalização no litoral de Maricá para combater e impedir a pesca predatória. Os órgãos ambientais foram informados pelo parlamentar da atuação criminosa de traineiras, que ao utilizarem redes de arrastão na costa maricaense estão matando tartarugas marinhas, além de impedirem o desenvolvimento dos peixes.

Delaroli tomou conhecimento do crime ambiental através de vídeos postados em redes sociais mostrando tartarugas presas às redes na região de Ponta Negra, sendo que em um dos vídeos uma tartaruga de dois metros e 600 kg foi encontrada morta na areia da praia de Jaconé com diversos ferimentos causados pelas redes de arrastão.

O deputado denunciou em plenário, na tarde de segunda-feira (10), e conseguiu respostas positivas do secretário de Estado do Ambiente, André Corrêa, e do superintendente do Ibama no Rio de Janeiro, Pedro Castilho. Ambos afirmaram que Maricá será incluída como prioridade nas operações de combate aos crimes ambientais.

Delaroli também alertou às autoridades para a situação dos pescadores artesanais, que tiram do mar o sustento das suas famílias, mas devido à ação criminosa das traineiras, não estão conseguindo sobreviver da pesca.

“Tem traineiras até de outros estados que estão vindo a Maricá dizimando tartarugas e peixes. A rede de arrastão leva tudo, e os pescadores artesanais acabam sem sustento para sobreviver. Não podemos permitir que esse absurdo continue. O secretário André Corrêa e o superintendente Pedro Castilho garantiram que as operações de fiscalização vão ser intensificadas, que vão olhar com mais atenção para a região de Maricá”, afirma Marcelo Delaroli.

error: Conteúdo protegido!