Começa a operação Offshore no Aeroporto de Maricá


Os vôos de operação Offshore já são uma realidade no Aeroporto Municipal de Maricá. Na manhã desta que sexta-feira (01/02) o presidente da Companhia de Desenvolvimento de Maricá (Codemar), José Orlando, assinou um contrato com a Petrobras, e a empresa Aeróleo Táxi Aéreo S/A foi a primeira a utilizar a pista comercialmente.

De acordo com o prefeito de Maricá, Fabiano Horta, além de atender às demandas das plataformas de petróleo, a atividade também fomentará o turismo e aquecerá a economia da região. “Para nós, este é um marco do desenvolvimento local, hoje afirmamos Maricá como um polo do offshore, e estas atividades vão atrair outras empresas, que por consequência trarão mais empregos, mais renda e mais crescimento econômico”, afirmou Fabiano, ressaltando a satisfação em ver outras iniciativas se desenvolvendo a partir do início das operações.

“Ficamos felizes por já presenciar a integração da cidade. Estou vendo os taxistas abrindo um ponto permanente no aeroporto, e desta forma vemos a capacidade de arrecadação do município crescente em relação a isso, a atração de novos interesses econômicos que vão fazer a cidade avançar”, disse o prefeito.

Para o presidente da cooperativa Cooper Praça da Bandeira, André Luis Fonseca, de 38 anos, o funcionamento do aeroporto é um divisor de águas. “Seremos os primeiros a receber os clientes vindo das plataformas, mostraremos tudo o que a cidade possui. A partir de hoje, estaremos aqui sempre das seis horas da manhã em diante, com uma equipe formada inicialmente por dez táxis, podendo ser ampliada de acordo com a demanda”, contou André Luis.

Segundo o presidente da Codemar, José Orlando, este é apenas o primeiro grande fruto de um trabalho de dois anos. “Em teoria, é o início de uma nova história, a abertura de um livro do desenvolvimento econômico de Maricá, que vai gerar muitos empregos e muita renda”.

Inicialmente, uma aeronave fará o transporte diário de 16 a 18 passageiros. Em cerca de dez dias, um segundo helicóptero também fará o trabalho, e a expectativa é de que até o final do ano o espaço alcance um montante de 15 aeronaves. “Cada aeronave realizará seis voos diários (sendo três partidas e três chegadas). Acreditamos que em junho, já estaremos operando de sete a oito aeronaves. Até o final do ano, a expectativa é chegar a 15. O que nos dará um média de transporte diário de 1.500 passageiros”, explicou José Orlando.

Morador de Maricá, o passageiro Hugo Rangel, que tem 27 anos e trabalha com revestimento de poços, falou sobre a facilidade que será embarcar na cidade onde mora. “Antes eu precisava me deslocar até Cabo Frio para embarcar, e este percurso levava uma hora e meia. Dependendo do horário do meu vôo, ficava bem difícil, porque eu precisava ir um dia antes e ficar hospedado em algum hotel. Agora, partindo daqui, vou sair de casa tranquilo. O acesso será muito mais fácil  e bem melhor”, finalizou.

error: Conteúdo protegido!