Criação do Mumbutáxi gera grande discussão na Câmara de Maricá


Por Romário Barros- O vereador Ricardinho Netuno (Patriotas) criticou a criação do Cartão Mumbutáxi e o mal uso do cartão Mumbuca durante a sessão da Câmara de Maricá desta quarta-feira, 12. Houve uma grande discussão. 

O vereador Ricardinho subiu a tribuna e criticou o Mumbutáxi que segundo o parlamentar é serviço de luxo, contrariando a real finalidade do programa. “Queria me manifestar sobre o Mumbutáxi que está virando um absurdo e um exagero. Mumbutáxi, o táxi para mim é luxo, as pessoas hoje andam de ônibus, Maricá já tem o vermelhinho para as pessoas que não tem condição de pagar passagem. Então se a gente vai permitir que as pessoas usa o dinheiro que é para ela sair da pobreza usando no táxi, a gente está tirando a finalidade que é meio do necessitado de melhorar de vida, para ele poder se qualificar para ele sair dessa necessidade de receber o auxílio do governo. Isso tem que ser discutido aqui nessa casa porque somos nós que vamos aprovar a lei, somos nós que vamos discutir isso, então é importante de ser falado”

O presidente da Câmara, vereador Aldair de Lima (PT) defendeu a criação e utilização do Mumbutáxi para a população maricaense. “O mumbutáxi, vai ter um critério para ser concedido, não vai conceder o mumbutáxi para um usuário de 20 anos, vai ter o critério para o idoso, para a pessoa que frequenta uma clínica de fisioterapia toda a semana, que moram no Retiro por exemplo, na Gamboa que não tem linha de ônibus, onde vai ter um critério.”

O vereador Rony (PR) também defendeu o programa do governo. “O Mumbutáxi como o Mumbuca, são programas de que, para quem precise, pega uma senhora idosa e tem problemas de deficiência de locomoção que more lá dentro do camburi, bota ela dentro do ônibus morador para ele vir fazer o exame aqui, então isso é inclusão, não tem transporte lá. Então tudo que é inclusivo que ser para os menos favorecidos, desde com critério é beneficio para o povo sim e a Prefeitura está de parabéns por isso.”

O vereador Ricardinho, seguiu sua fala denunciando sobre uso indevido do cartão Mumbuca, relatando que o o programa tem finalidade de ajudar a pessoa necessitada porém está sendo usado em salão de beleza e como comprar bebida alcoólica. “A mumbuca é para tirar as pessoas da necessidade, é para ajudar as pessoas que não tem condição de viver bem, de se alimentar, de conseguir ter um condição mínima e para os mais pobres. Agora tem muitas pessoas gastando o mumbuca com tinta de cabelo, para comprar cachaça, para comprar cigarro, para comprar coisa supérfluo que só faz mal a vida daquela pessoa. A gente tem que ajudar as pessoas a saírem da pobreza, a se qualificar. Nós temos que criar política aqui na cidade, essa casa aprovar e mudar o que é bom para realmente ajudar as pessoas a melhorarem de vida, agora gastar a mumbuca com coisas superficiais que não vai melhorar em nada a vida da pessoa, tá jogando o dinheiro fora.”

O vereador Filipe Poubel (PSL) concordou com as denuncias do vereador Ricardinho. “Você vai no salão de cabeleiro e está escrito lá ‘Aceitamos mumbuca’ e você ver um monte de gente nessa cidade que realmente precisa e não é beneficiado, você ver um monte de gente comprando “bojudinha” no mercado, isso é para tirar alguém da miséria? Tem que haver critério de fiscalização. Realmente não tem critério, eu já um monte de pessoas gastando o mumbuca com coisa superficiais, e se a gente não fiscalizar as realmente pessoas precisa ficam desguarnecidas do programa social.”

O vereador Marcus Bambam (PV) defendeu que o cidadão possa cortar o cabelo, melhorando a sua aparência para arrumar um emprego. “Critério, o cidadão está desempregado, não tem como arranjar um jeito de trabalhar, o cara está com a autoestima lá embaixo, ele vai no salão de cabeleireiro no mínimo que ele pode se apresentar para uma entrevista, ai dá uma ajeitada na barba, no cabelo, eu estou falando sério”. De acordo com Bambam, isso também movimenta economia local, de pequenos e micro empreendedores. “Você não ver o cartão mumbuca em salão grande não, você ver o micro empresário que está começando o seu negócio”.

O presidente da Câmara, vereador Aldair de linda (PT), disse o benefício é para todos porém uma minoria faz esse mal uso, no entanto o povo não pode ser prejudicado por isso. “O executivo ele faz o benefício para o povo em um todo, agora da forma que o cara usa o Mumbuca é o problema da pessoa, nós sabemos que tem muita pessoa que não precisa e usa o bolsa família, agora se o governo, se uma parcela muito pequena dessa pessoa que usam o mumbuca para comprar bebida, comprar cigarro, para comprar tinta de cabelo, agora tem certeza que a maioria usa para se alimentar para comprar o seu remédio. Agora se a gente foi pensar em não usar o benefício ao menos favorecido porque meia-duzia vai usar erradamente esse beneficio, nós estamos condenando o povo”

Marcus Bambam (PV) alegou que para ter o benefício existem uma exigência que comprova que a pessoas precisa do cartão. “O sujeito que faz o cartão mumbuca, quando ele faz o cartão, já tem o critério ali. Não é qualquer um que tem o cartão mumbuca, quando o cara faz a seleção para o cartão, já tem diversas exigências para a pessoas que realmente precisa. Agora sem tem o brasileiro em geral, sem tem um mais malandro que vai se beneficiar de alguma forma, isso faz parte da cultura de muitos malandros ai. Mas se a gente não fizer um programa só pensando no que o malandro vai fazer quem realmente precisa nunca vai ter nada.”

Rony Peterson questionou as críticas do oposição, pergunta que deseja acabar com o Cartão Mumbuca. “Não podemos governar pelas exceções, o governo é para a massa, para o povo. O cartão mumbuca é para o povo necessitado, sem tem alguma pessoa se beneficiando indevidamente disso, então vossas excelências querem que acabe com o programas por conta disso?”

Poubel respondeu o questionamento de Rony Peterson, pedindo para que os critérios existam. “O senhor falou que nós estamos discutindo o fim do programa, não é isso. Nós estamos solicitando critérios, porque não tem critérios, não existe. Ninguém é contra o Mumbuca, mas se é para tirar a pessoa da miséria, se é para ajudar na alimentação, no gás, então que faça. Agora não pode pessoa ir lá e usar com cabelo, unha, comprar esmalte, tem que ter os produtos diferenciados para comprar com o Mumbuca, você vai na farmácia como esmalte, compra cachaça no mercado, isso é certo, isso é justo não!! E tem pessoas que realmente quer usar para o comida e não tem o cartão mumbuca, essa é a discussão.”

Dr. Richard (PT), criticou o vereador Ricardinho o chamando de negligente por não denunciar essas pessoas que usam o cartão de forma errada. “Eu acho que o senhor está sendo negligente na sua função, o senhor deveria fiscalizar como fiscalizou e denunciar. Essas pessoas tem que ser denunciadas, porque na falta da fiscalização e denuncia é que acontece esse tipo de coisa. Então o senhor falou aqui, o senhor devia denunciar, o papel do vereador é denuncia e fiscalizar.”

O vereador Ricardinho afirmou que o dever o governo é oferecer o que está na constituição, mais do que segundo ele, é luxo. De acordo com o parlamento o dinheiro poderia ser gasto em promoção da cultura e atividades esportivas. “O Estado e o governo ele tem o dever de oferecer alimentação, educação, saúde, transporte, as coisas para a população. O que ele não consegue fazer, ele permite iniciativa privada, então o que nós temos que ajudar com o dinheiro público são essas coisas que estão na constituição federal, não está na constituição que o governo tem que dá salão de beleza para as pessoas, que tem que fazer a unha das pessoas, que tem que dá cachaça para as pessoas, é isso que a gente tem que discutir aqui. Agora é dever do município, ele fornecer educação, vamos fazer com que as pessoas gastem na mumbuca com curso técnico, inglês para o seu filho, é isso! Eu tenho certeza que todo o pai aqui, quer que o filho tenha condição de fazer um curso de inglês, todo pai, o rico o pobre,quer que o filho fique na escola estudando no segundo tempo, que tenha atividade esportiva, atividade cultural, vamos investir o dinheiro na cidade para isso. A gente que fazer o dinheiro do município seja revertido para a população da melhor forma, esse é o nosso papel, então quando a gente entrar em discussão é porque está sendo desvinculado o objetivo principal, então a gente não pode deixar isso acontecer”.

O vereador Aldair concordou com a denuncia e a posição do vereador Ricardinho porém afirmou que não tem como o governo controlar isso. Que a teoria parece fácil mas na prática é bem difícil. “O governo não é culpado do mal uso desse benefício. Quando o governo implanta um projeto desse, ele implanta no melhor possível para o povo, se a minoria do povo gasta irregularmente não é problema do governo. O que a prefeitura faz é trazer o beneficio para o povo. Eu vejo ai muitas famílias com o cartãozinho comprar o seu remédio, comprando seu alimento, e temos que fiscalizar, mas é complicado o executivo chegar para o comerciante que tem o cadastro do cartão mumbuca e colocar uma pessoa lá o dia inteiro naquele comercio para coibir o cara que vendo uma bebida alcoólica então é difícil. A pessoa que tem o MEI que pegou a máquina para passar o cartão mumbuca, será que ele falou que a finalidade era para cabeleireiro, ou falou que a finalidade era outra finalidade. Será o que governo está consciente que essa salão de beleza tem essa maquina?”

O vereador Ricardinho concluiu o debate solicitando mais fiscalização e restrição de uso em determinados estabelecimento e compra de determinados produtos. “Para inibir é só não permitir, se a gente não permitir, o município não credenciar o salão de beleza, não vai conseguir pegar com o cartão mumbuca e o mercado tiver uma lei ou uma coisa que posso coibir a venda e compra de bebida de cachaça e de cigarro, a gente já consegue minimizar.”

CONFIRA A ÍNTEGRA DA SESSÃO DESTA QUARTA-FEIRA NO VÍDEO ABAIXO

error: Conteúdo protegido!