Denúncia no Ministério Público pode cancelar linha Maricá x São Paulo, da Viação 1001


O Ministério Público Estadual (MP-RJ) abriu um processo de apuração junto a Auto Viação 1001 na manhã desta quinta-feira, 24, após receber uma denúncia sobre a criação de uma nova linha que seguiria de Maricá a São Paulo. Os procuradores irão investigar se há ligação e favorecimento da empresa com Prefeitura de Maricá.

A denúncia ao MP foi feita por um cidadão maricaense, que após fazer um levantamento sobre legalidade da criação da nova linha de ônibus, não encontrou fundamentação legal para a exploração e concessão da nova rota anunciada.

De acordo com o morador, a empresa é famosa de ter vários favorecimentos de alguns apadrinhados do poder em troca doações em campanha eleitorais. Por conta disso, levou a denúncia até o MP para que fosse aberto uma apuração sobre a evidência de  atropelo às leis vigentes.

No documento enviado ao Ministério Público, o morador – Marcelo Cerqueira de Almeida – relata que a Fetranspor (Federação da Empresas de Ônibus do Estado do Rio de Janeiro) vem sendo contaminada pelas influências que os empresários exercem nos governos federal, estadual e municipais.

“Os acordos sempre foram feitos, em troca de benefícios, para os empresários, que doavam nas campanhas eleitorais, que em sua maioria, quem sai perdendo é a população. São tratos, que são feitos, alheios, a coisa pública, as técnicas de transporte, ao respeito a população, sempre promovidos, pelos nossos governantes, que são detentores de excelentes relações, com os empresários, volto a afirmar, que custeiam suas campanhas eleitorais, antes oficializado pelo TSE.” Citou o morador no documento.

Em um outro parágrafo do documento, o morador elogia o serviço prestado pela empresa de ônibus e porém revela que suas linhas foram criadas ilegalmente e protegidas pelos governantes.

“A empresa Auto Viação 1001, tem um curriculum extensivo no transporte de passageiros intermunicipal, interestadual, com excelentes resultados nas operações, posso a te dizer, que é a primeira do Estado em qualidade. Em contrapartida, sempre foi famosa, em suas ligações com os governantes, com isso, obteve um rol imenso de linhas, junto aos governos, sem licitação. Linhas que começaram sem estudos que as viabilizem, critérios técnicos, sem consulta popular, com tarifas caríssimas, implantadas sem licitação pública, o que é inconstitucional.” Explanou o cidadão.

Em sua denúncia, o cidadão pede ao Ministério Público que apure sobre a implantação da nova linha e que a Agencia Nacional de Transporte Terrestre (ANTT) se pronuncie sobre o caso denunciado.

error: Conteúdo protegido!