Dor e emoção marcam o enterro do homem encontrado morto na Restinga de Maricá


Por Romário Barros- Familiares e amigos estiveram nesta quinta-feira, 8, no cemitério de Maricá prestando as últimas homenagens a Rodrigo Gonçalves Lima que foi encontrado morto na manhã da quarta-feira, 7, em um canal próximo à Aldeia Indígena, em São José do Imbassaí.

O corpo chegou do IML por volta de 13 horas e rapidamente foi enterrado no Cemitério de Maricá. Uma forte chuva caiu no momento do sepultamento

Pelas redes sociais, amigos lamentaram a morte de Rodrigo e desejaram conforto a família.

“Não consigo acreditar, uma boa pessoa, um bom amigo. Descanse em paz Rodrigo…” Disse Sabrine Campos.

“Rodrigo fez parte da minha infância, fizemos kung fu juntos, e até malhei um tempo na mesma academia. Tinha tido com ele recentemente, garoto trabalhador, e bom… “Disse Anderson Figueiredo.

“Meus sentimentos a Sueli minha dor é enorme. Menino cresceu conosco nos desbravadores Serra e mar. Menino bom, amigo. Que Deus conforte a família” Comentou, Regina Célia Gomes.

Cerca de 100 pessoas compareceram ao sepultamento, entre parentes e amigos que foram prestar as suas últimas homenagens.

A morte de Rodrigo é investigada pela Divisão de Homicídios de Niterói e São Gonçalo (DHNSG).

ENTENDA O CRIME

Rodrigo Gonçalves Lima foi encontrado morto no canal próximo à Aldeia Indígena. Bombeiros do Destacamento de Maricá foram até o local e retiraram o corpo d’água. O corpo estava com cortes semelhantes ao de facadas.

“Ontem à noite, eu recebi uma ligação de um número privado, de um homem falando que era pescador e que tinha visto o corpo com algumas características parecidas com a dele. Então, eu vim a noite acompanhada com os policiais, mas não conseguimos encontrar. Eles falaram para que eu esperasse amanhecer e se encontrasse realmente o corpo, ele teriam que vir buscar. Eu vim pela manhã encontrei o corpo dentro da água..” Disse Franciene, esposa do Rodrigo.

De acordo com a esposa, Rodrigo foi assassinado dentro da aldeia. “Ele foi assassinado! Eu tenho certeza, é uma acusação que eu tenho certeza que ele morreu dentro dessa aldeia. Eu liguei, de dentro da delegacia, perguntando para a menina que mora lá dentro e ela disse que ele tinha ido lá e que tinha saído de moto, mas eu tenho certeza que ele não saiu. Ele está com muitos cortes de perfuração, marcas que parecem torturas, ele estava sem roupa, a moto está desaparecida, sumiram com a moto e eu tenho certeza absoluta de que ele foi assassinado dentro dessa aldeia. Ele não saiu daqui, ele veio e não saiu.” Disse a mulher emocionada.

Rodrigo havia saído de casa na noite do último domingo, 4, dizendo para sua esposa que iria trabalhar de madrugada, na empresa Argamassa Brasil, em São José do Imbassaí, e desde então não havia voltado para casa.

A esposa recebeu informação de um amigo do Rodrigo, que trabalha com ele, de que o rapaz não havia ido trabalhar no domingo e por isso, estava preocupado. A esposa então entrou em contato com uma outra mulher, com que o homem havia tido um envolvimento, que informou que Rodrigo havia ido na Aldeia Indígena por volta das 22 horas de domingo, onde bebeu uma garrafa de cerveja e saiu em seguida.

Ainda de acordo com a esposa, o casal estava se separando, porém estava preocupada com o sumiço do homem, pois ele nunca foi de sumir e nunca faltou o trabalho. A mulher chegou a ir na Delegacia de Maricá para registrar a ocorrência de desaparecimento.

Policiais Militares do DPO de São José do Imbassaí estiveram no local e acionaram a Divisão de Homicídios. Após os procedimentos periciais, o corpo foi levado pelo Rabecão da Defesa Civil para o Instituto Médico Legal (IML) do Barreto, em Niterói.

O LSM esteve ao vivo diretamente do local do crime. Assista no facebook

error: Conteúdo protegido!