Inea planta sementes de espécie ameaçada de extinção na Serra da Tiririca


Foto aquivo/LSM

O Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset), unidade de conservação administrada pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), realizou na Enseada do Bananal, em Niterói, na última semana, a coleta e o plantio de 600 sementes e 2 mudas de Guarajuba (Terminalia acuminata), espécie que não foi avistada por 73 anos.

A Guarajuba é uma árvore de grande porte com troncos largos na base e mais finos na parte superior, e ocorre apenas no Estado do Rio de Janeiro, ou seja, é uma espécie endêmica fluminense. Esta planta apresenta grande valor madeireiro, sendo considerada uma madeira de lei. Um dos motivos para o seu desaparecimento ao longo dos anos pode ter sido a sua utilização desenfreada na fabricação de embarcações e de
móveis.

“Nosso estado é rico em biodiversidade. Ações como essa são fundamentais para a preservação dessas espécies e também são o exemplo do trabalho integrado que a Secretaria e o Inea desenvolvem, sempre priorizando a preservação ambiental do Rio de Janeiro”, afirma o secretário do Ambiente e Sustentabilidade, Thiago Pampolha.

Em 2020, a equipe do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica Ameaçada de Extinção do estado do Rio de Janeiro, no âmbito do Projeto Pró-Espécies – PAN Flora Endêmica, marcou duas árvores matrizes no Costão de Itacoatiara. As equipes do projeto coordenado pela Seas e técnicos do Parque Estadual da Serra da Tiririca coletaram 154 sementes que foram direcionadas para o Horto Florestal de Guaratiba, administrado pelo Inea.

“Até 2015, a planta era considerada extinta da natureza, pois sua última aparição foi em 1942. Devido aos esforços de coleta desenvolvidos pela equipe da Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e CNCFlora, do Jardim Botânico do Rio de Janeiro, foram encontrados 219 indivíduos no estado”, explica a consultora coordenadora do Plano de Ação Nacional para Conservação da Flora Endêmica (PAN) para a WWF-Brasil e Seas, doutora Inara Batista.

Segundo o gestor do Parque Estadual da Serra da Tiririca, Leandro Silva, há mais ações de plantio como esta programadas para a unidade de conservação. “O plantio desta espécie no parque é de extrema importância para sua preservação e conservação, uma vez que se encontra ameaçada de extinção. Futuramente, quando a árvore atingir a maturidade, trará melhora ao microclima da região e servirá como abrigo de animais silvestres”, explica.

A ação contou com a participação de oito pessoas e obedeceu ao protocolo de segurança para preservação da saúde dos participantes, com o uso obrigatório de máscara, assepsia das mãos com álcool em gel e o distanciamento entre os participantes.

Sobre o Parque Estadual da Serra da Tiririca

Criado em 1991, o Parque Estadual da Serra da Tiririca (Peset) é a primeira unidade de conservação do Estado do Rio de Janeiro que surgiu a partir da mobilização de movimentos ambientalistas e comunitários. Com cerca de 3.500 hectares, está situado nos municípios de Niterói e Maricá com trilhas e atrativos diversos. O Peset recebe visitantes durante todo o ano, sendo uma importante área conservada em perímetro urbano.

Fonte: O FLU

error: Conteúdo protegido!