03/10/2016 às 10h33min - Atualizada em 03/10/2016 às 12h28min

Em Maricá, Fabiano Horta (PT) venceu com 96,12% dos votos válidos

[caption id="attachment_103622" align="aligncenter" width="960"]
14494787_829857053823887_5336914161690502381_n

14494787_829857053823887_5336914161690502381_n

Festa da vitória de Fabiano Horta, no Centro de Maricá.[/caption] Fabiano Horta (PT) foi eleito prefeito de Maricá, neste domingo (2) com 39.128 votos. Marcelo Delaroli (DEM) foi o segundo mais votado no pleito, com 33.380 votos, mas teve a candidatura indeferida, com possibilidade de recurso. Por isso, Fabiano contabilizou 96,12% dos votos válidos nestas eleições. Logo atrás, aparece Carolino Santos (PDT), com 940 votos (2,31%) e Bia do PSOL (PSOL), com 641 votos (1,57%). A cidade teve abstenção de 19,59%: 19.845 dos 101.282 eleitores não compareceram para votar. Além disso, foram 1.880 votos brancos e 38.848 nulos ou anulados (47,70%). Esse resultado é obtido graças ao apoio do atual prefeito, Washington Quaquá, que também é presidente estadual do PT no Rio. Quaquá fez uma administração aprovada maciçamente pelos 101 mil eleitores da cidade que pertence à Região Metropolitana do Rio de Janeiro. Entre os projetos do PT aprovados para a cidade estão linhas de ônibus com tarifa zero, que começaram a operar em 2013. A cidade tem 150 mil habitantes. Outro destaque da administração de Quaquá é a economia solidária. Maricá foi a primeira cidade a adotar moeda social, a mumbuca, com tecnologia de cartão eletrônico de débito. O projeto também foi implementado em 2013 e tem conseguido combater a pobreza e estimular a economia da cidade. Cada mumbuca equivale a R$ 1, e 13 mil famílias carentes da cidade recebem 85 mumbucas por mês no cartão. Para ter direito a receber as mumbucas é preciso ter renda familiar de até um salário mínimo por mês. A moeda social é aceita em estabelecimentos comerciais cadastrados pela prefeitura, e por isso sua importância para valorizar a economia da cidade. Em junho deste ano, foi realizado por iniciativa da prefeitura da cidade o Festival da Utopia, que projetou a imagem de Maricá entre as forças progressistas da política, com participação de ativistas, intelectuais, artistas, políticos e rebeldes de todas as partes do planeta, com o desafio de construir uma nova utopia para as esquerdas. Na sexta-feira (30), o juiz do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ), Marcello Rubioli, disse ao jornal cariocaExtra que a cidade se transformou em uma “Sucupira” da fiscalização, ao questionar a legitimidade de doações de cidadãos feita à campanha de Fabiano Horta. Sucupira era o nome de uma novela de Dias Gomes,O Bem-Amado, transmitida pela Rede Globo nos anos 1970 – era uma cidade onde reinava a demagogia política e que agora reforça em Maricá o preconceito contra o PT. Segundo o juiz, doadores da campanha de Horta teriam interesse em sua eleição para continuar ocupando cargos na prefeitura da cidade e eles serão investigados para apurar se houve lavagem de dinheiro nessas doações. Festa da vitória de Fabiano Horta teve queima de fogos no Centro de Maricá
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp