01/08/2018 às 09h31min - Atualizada em 02/08/2018 às 12h50min

Caso Poubel: Vereador diz que não agrediu a ex-mulher e a ex-sogra


Por Romário Barros- O vereador Felippe Poubel (PSL) publicou um vídeo em sua rede social na noite desta terça-feira, 31, esclarecendo sobre a acusação de agressão contra a sua ex-companhia e sua ex-sogra, no último domingo, 29. Durante os 25 minutos em sua "live" no Facebook, o parlamentar contou a sua versão no fato ocorrido na noite do domingo e explicou o motivo pelo qual acusa o PT de estar envolvido no escândalo. De acordo com Poubel, a ex-companheira e a mãe dela invadiram o Condomínio Elisa e a sua residência, pois elas não tinham autorização para entrar no condomínio, no qual havia um requerimento feito pelo próprio Vereador proibindo a entrada da mulher. " No dia 20 de fevereiro desse ano, eu estive no condomínio, na administração do Condomínio, na portaria, na segurança e fiz um requerimento com a proibição da entrada da Sra. Priscila Cardoso nas dependências do condomínio e inclusive, coloquei o carro dela, gol prata, placa descrita. Então nesse dia, eu fiz esse requerimento pedindo a proibição da entrada dessa pessoa nas dependências do condomínio e na minha residência. Ela estava proibida porque eu sei o temperamento dela e da família dela, eu conheço, então eu já havia proibido, até porque ela não aceitou a nossa separação, então isso perpetua na vida dela" - Disse Poubel, mostrando o requerimento. Segundo ele foi aberta uma sindicância para esclarecer essa situação, de como ela conseguiu entrar e invadir a minha residência junto com a mãe dela. Poubel explicou que tinha um acordo verbal junto a ex-companheira e mãe de suas filhas, que pegaria as crianças na sexta-feira e entregaria na segunda-feira. E não entendeu o porquê ela resolveu pegar as crianças no domingo. No dia, a casa estava com visitas desde cedo, onde haveria um almoço com seus amigos e familiares e que por volta das 18h50, a ex-companheira mandou uma mensagem para a mãe dele dizendo que ia ia buscar as crianças e sua mãe disse que não era para ir buscar porque ele já estava deitado com as crianças. De acordo com o Parlamentar, esse episódio foi relatado pelas pessoas que estavam presentes, pois ele estava dormindo no quarto. "como as pessoas me relataram, ela entrou no condomínio e quando se deparou com a minha mãe, no corredor da minha casa, na varanda, já entrando na minha casa, a minha mãe proibiu a entrada delas dentro da minha residência e elas cismaram que iam entrar e buscar as minhas filhas de qualquer jeito e começaram a discutir, foi quando elas entraram em vias de fato, as duas brigando com a minha mãe. Elas entraram em via de fato, as três foram separadas por pessoas, testemunhas que já estão citadas no processo". O vereador nega a presença dele no local da agressão. "Eu estou sendo apontado o tempo todo por essas mentiras, por essas falsas declarações que eu estava presente. Eu estava dentro de casa com as minhas filhas, uma estava prestes a dormir, outra já estava dormindo e eu estava querendo dormir com elas e não presenciei esse fato, não cheguei nem perto, em momento algum eu estive perto. Isso ai eu estou falando em cima dos fatos relatados pela minha mãe, pois ela fez a ocorrência na delegacia e por testemunhas que estavam próximas". Poubel disse que repudia a ação feita pela mulher e já fez uma representação contra elas. "A gente entrou com uma representação com a denunciação caluniosa, falsa comunicação de crime e essas pessoas que separaram a confusão são testemunhas e são várias as pessoas que testemunham essa situação". De acordo com Poubel, as imagens das câmeras de segurança do condomínio poderão provar que ele não estava presente na hora da briga. "Eu pedi as filmagens do condomínio desde a hora que elas entraram no condomínio até o fato ocorrido. E quero as filmagens que mostram que no momento ali, no momento da confusão, eu estive presente, eu não estive presente em momento algum de confusão". O vereador questiona de como está sendo tratada essa confusão, pois sua mãe também foi agredida. "Engraçado que em nenhum momento, eu vi uma defesa de uma senhora de 63 anos sendo atacada por duas pessoas, eu não vi ninguém defendendo. Eu publiquei nas redes sociais, a foto da minha mãe machucada, ela foi agredida por uma mulher de 28 anos e a mãe dela". Poubel relata que os ferimentos apresentados nas duas mulheres não são compatíveis com a sua força. "As agressões que elas dizem, suposta agressão que eu pratiquei são desproporcionais, com a minha força você imagina... ela apresentou um arranhão, a mãe dela apresentou um arranhão e arranhão é briga de mulher e foi isso que teve entre elas. Eu sou grande, tenho 100 kg, vou provocar um arranhão? Estão pegando pesado nessas falsas acusações". E acrescentou o questionamento do fato de ter havido dois depoimentos. "ela deu um depoimento no domingo e mudou o depoimento na segunda, alegando sentir coagida, mas coagida dentro da Delegacia? Cheio de policiais? Cheio de parentes dela lá? e minha mãe com uma pessoa só na delegacia, muito estranho mudar o depoimento. Eu tenho um fato aqui, que eu não posso mostrar porque vai correr pela justiça, alguns fatos, inclusive ameaças que se eu não tirasse a nota da minha mãe, ela ia mudar o depoimento na segunda-feira. Eu tenho isso provado e está anexado a representação que nós fizemos. Então pode ver que há todo tempo eles se contradizem, eles pregaram alguma coisa no domingo e mudaram na segunda-feira". Poubel explicou a afirmação que ele havia dito que o Partido dos Trabalhadores (PT) estaria por trás dessas acusações. "Eu queria mostrar pois algumas pessoas não entenderam o porque o PT está atrás, porque o governo municipal está por trás disso 'Ah tá dizendo que é o PT, tudo é o PT' está bom, vamos tirar o PT, é o governo, o dinheiro, a ganância - é isso que está fazendo que eles me acusem dessa forma". Poubel contou que vem sofrendo a ameaça há muito tempo por parte da família da ex-companheira, que está ligada ao partido. Durante o vídeo, o Parlamentar mostrou um Registro de Ocorrência feito na Delegacia de Maricá (82ª DP) no dia 9 de abril de 2018, onde explicou: eu estive na delegacia, fui fazer uma ocorrência contra o Sr. Enésio Cardoso, Enésio das Mesas, ele me agrediu verbalmente por telefone onde ele me mandou uma mensagem desaforada, eu liguei para ele e meu telefone conectado ao Bluetooth do carro, eu com duas pessoas no carro trabalhando, e ele falou 'bandido, safado, moleque, mandando tomar naquele lugar, seu filho disso, eu vou te 'ferrar' junto com o governo, estou junto com o Pr. Renato e eu vou te ferrar e se você não me matar, eu vou te matar', eu fui ameaçado de morte pelo Sr. Enésio, pai da minha ex-companheira, isso aconteceu em abril." De acordo com Poubel, o homem é fornecer mesas aos eventos ligados ao governo, inclusive, forneceu mesas para a Utopia, ele tem caminhão agregado na Prefeitura, então essas são as ligações dele com o governo do PT. E o vereador continuou com o argumento: "Um outro fato relacionado ao PT, é que minha ex-companheira, e quem me ameaçou foi o pai dela, se puxarem lá trás, eles sempre batiam no PT e após a separação, eles mudaram de lado, eles foram para o PT e aprova é essa, (mostrado o Jornal Oficial do Município) essa aqui é uma nomeação dela na prefeitura, ela foi nomeada coincidentemente no mesmo dia que eu sofri a ameaça, então isso caracteriza que é uma questão política, porque não conseguem tentar me derrubar, me denegrir de outra forma, então eles estão tentando denegrir a minha imagem, denegrir a minha pessoa, expondo as minhas filhas numa situação dessa, a minha mãe, a minha família, para tentar politicamente me derrubar. "Faça acusações políticas! tenta me derrubar politicamente! agora tentar mexer com a minha honra, tentar me acusar de algo que eu não fiz, passaram de todos os limites. eu sempre sofri ataque em rede sociais por parte deles, em uma das últimas ela usou até a imagem das minhas filhas em um momento de enfermidade delas, trazendo para cá, para a política, uma questão pessoal. Eu sinceramente, a gente vê como é que pode a ganância pelo dinheiro faz com que as pessoas mudem o caráter, como as pessoas se sujeitam a qualquer carguinho, a qualquer coisas nesse momento, mas eu vou buscar em todas as instâncias para provar que tudo isso é calunioso, é mentiroso, é uma falsa comunicação de crime. Nós temos todas as provas, várias testemunhas, as imagens no condomínio que eu já pedi e se Deus quiser a gente vai conseguir provar a isenção total desses fatos". Disse Poubel, com tom de emoção. Já no final do vídeo, Poubel falou dos seus méritos e afirmou que vai provar a sua inocência: "Quem me conhece saber que eu sou um vereador combatente, que eu não compactuo com a corrupção, sou o maior cara que denuncia toda as sacanagens desse nosso governo, então estão tentando denegrir a minha imagem, agora de uma forma suja, de uma forma 'surrateira', de uma forma que não se faz com ninguém, que é inventar, imputar um crime mentiroso, uma falsa comunicação de crime. Então eu me coloco a disposição da justiça, já procurei a delegacia, já fiz a representação, pedi as imagens das câmeras e espero que a justiça, o mais rápido possível esclareça os fatos para que calem a boca desse povo e vou esclarecer uma coisa: essa é a primeira acusação leviana, mentirosa de muitas, pois eles vão tentar a todo momento de denegrir a minha imagem. Eu vi hoje a publico, eu não me encondo e não tenho me esconder, estou de cabeça erguida, consciência tranquila, porque eu não devo nada a eles e muito menos vou aceitar ser imputado a minha pessoa uma coisa que eu não cometi." Poubel concluiu agradecendo o apoio dos amigos e disse que não fará mudar de lado. "Eu agradeço a todos vocês que tem me mandando mensagens de força, de apoio, eu agradeço as pessoas que tem me procurado, eu agradeço de coração e deixou um recado para quem está tentando me denegrir: Eu não vou me calar, eu vou continuar sendo o mesmo Felippe Poubel, vereador mais atuante dessa cidade, vou continuar sendo quem eu sou." finalizou o vereador, cutucando a oposição: "Não venha com ameaça, calunia, que eu não vou mudar a minha postura, não vou me aliar a vocês, não vou mudar. Não me escondo porque eu não fiz nada. Eu tenho certeza que a justiça vai solucionar isso o mais rápido possível, porque o tiro deles vai sair pela culatra, porque a gente tem credibilidade, coisas que eles não tem." REPORTAGENS RELACIONADAS https://leisecamarica.com.br/caso-poubel-em-novo-depoimento-ex-mulher-diz-ter-sido-agredida-e-pede-medida-protetiva-contra-o-vereador/ https://leisecamarica.com.br/psol-de-marica-emite-nota-de-repudio-e-pede-afastamento-do-vereador-poubel-da-camara-municipal/ https://leisecamarica.com.br/caso-poubel-policia-civil-analisa-imagens-das-cameras-do-circuito-interno-de-seguranca-do-condominio/ https://leisecamarica.com.br/mae-e-avo-das-filhas-de-poubel-acusam-o-vereador-de-agressao/
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp