29/09/2018 às 01h54min - Atualizada em 30/09/2018 às 19h18min

Em Itaipuaçu, Centro de treinamento offshore do Instituto de Ciências Náuticas vira referência mundial


Por muito tempo tem havido um déficit de oficiais marítimos treinados no Brasil, já que há décadas os únicos institutos de treinamento credenciados eram administrados pela Marinha do Brasil, onde um número muito limitado de oficiais de convés e motores marítimos poderia ser treinado em seus dois treinamentos. institutos no país. Tudo isso está mudando agora com o Instituto de Ciências Náuticas (ICN) liderando o caminho. Com a descoberta do pré-sal em 2007 e o contínuo crescimento dos setores marítimo e marítimo, a falta de oficiais brasileiros qualificados tornou-se aguda. Por muitos anos, e até hoje, a maioria dos capitães e oficiais offshore são estrangeiros, enquanto há um número mais significativo de capitães e oficiais locais na frota mercante. No entanto, comparado com a maioria das nações marítimas, o Brasil ainda está atrasado em termos de treinamento marítimo privado, que até poucos anos atrás. Com uma frota marítima de mais de 400 navios operando ao longo da grande costa brasileira e com expectativas de crescimento adicional devido à contínua oferta de peças offshore e pós-sal em leilões recentes e futuros, as instalações de treinamento expandidas para oficiais marítimos locais vitais para o crescimento do setor marítimo no Brasil, pois há também um programa de construção de navios oceânicos sem precedentes no programa Promef, cujo principal cliente é a Transpetro, empresa marítima da Petrobras, que, embora marcada por um escândalo de corrupção, continua a encomendar novas construiu tanques com capacidade de DP para exportação de óleo e tanques aliviadores compatíveis com DP projetados para descarregar o óleo direto de FPSOs localizados em locais remotos do pré-sal, geralmente localizados a cerca de 300 km da costa. A criação do Instituto de Ciências Náuticas - ICN - como uma organização privada de interesse público cujos objetivos permanentes são a produção de conhecimento e de ensino relacionados às atividades desenvolvidas nos diversos segmentos do setor marítimo e offshore, bem como a socialização de informação e conhecimento para a comunidade envolvida, tem sido um fator chave no aumento do número de oficiais treinados e marítimos no Brasil. “Para atingir esses objetivos, o ICN investiu fortemente em pesquisa para contribuir com o desenvolvimento tecnológico do setor. O ICN desenvolve cursos, conferências, seminários e outras formas de disseminação de conhecimento e troca de informações, visando a continuidade da formação dos marítimos que já atuam nessa área e a formação profissional daqueles que desejam ingressar no mercado marítimo. O ICN também desenvolve materiais didáticos, software (programas) e métodos alternativos de ensino para apoiar o desenvolvimento marítimo e offshore em todos os seus segmentos. O ICN pretende ser uma referência internacional em educação especializada nos setores marítimo e offshore, com o apoio de pesquisas e estudos multidisciplinares, sendo uma organização inovadora, baseada nos princípios do Sistema de Gestão da Qualidade ”, afirmou André Carvalho, Diretor Presidente da ICN. O ICN tem seu escritório principal no centro do Rio de Janeiro, adjacente ao estaleiro da Marinha e ao Porto do Rio, com vista para a Baía de Guanabara, e também possui um centro de treinamento grande e de última geração, do outro lado da baía, no bairro de Itaipuaçu, no município de Maricá, a cerca de 60 km do centro do Rio. Onde grandes grupos de marinheiros e potenciais marítimos praticam as operações de navio, técnicas de segurança e sobrevivência, utilizando barcos da vida real em turcos, simuladores de helicópteros, entre outras formas de hads em treinamento. Em novembro de 2000, o ICN iniciou o desenvolvimento de cursos relacionados com a Resolução A.891 da OMI, Resolução 1079 da OMI (cursos para o pessoal que trabalha em unidades móveis offshore), concluída no início de 2002, após a avaliação do Bureau Veritas. credenciado pela Autoridade Marítima da Libéria. No final do mesmo ano, iniciou-se o processo de avaliação realizado pela Petrobras, que, em nome do governo brasileiro, foi delegada pelo Conselho de Portos e Costas. Em maio de 2003, obteve o credenciamento da Autoridade Marítima Brasileira. O ICN também é reconhecido pelas Autoridades Marítimas da Libéria, Ilhas Marshall e Vanuatu e foi oficialmente nomeado como Agente de Enchimento pela Libéria e Ilhas Marshall, além de sua certificação ISO 9001 Quality. Considerando a aprovação desta instituição em avaliações rigorosas e seu compromisso com o ensino e desenvolvimento das áreas marítima e offshore, podemos afirmar que o ICN é uma organização de reconhecimento internacional, cujos principais destaques são os docentes, compostos por pesquisadores e professores. com vasta experiência e um sistema de qualidade internacionalmente credenciado ”, disse Carvalho. Referência em Formação Marítima O Instituto de Ciências Náuticas (ICN) é um verdadeiro centro de referência em treinamento para o setor offshore e marítimo de reconhecimento internacional e diretamente credenciado pelas principais Autoridades Marítimas do Brasil e do exterior. Além disso, buscando melhoria contínua, atendendo às expectativas dos clientes, preocupação com os impactos ambientais em sua atividade, preservação do meio ambiente, condições de trabalho e segurança em seus processos, a ICN obteve a certificação em Qualidade (ISO 9001). Somente a Autoridade Marítima do Brasil (CIAGA e CIAGA) pode ministrar cursos para hidrovias / marítimos (convés / ajudante de máquina, convés / maquinário) com emissão CIR (Cadastro e Livro de Registro), possibilitando a tripulação e operações de navios, embarcações offshore, rebocadores e embarcações de segurança. SIMNAV - Bridge Simulator O moderno simulador de pontes da ICN foi desenvolvido no Brasil e é considerado uma vitrine de treinamento marítimo avançado, sendo um dos únicos simuladores no Brasil e em toda a América Latina. Os simuladores têm sido empregados em diferentes áreas desde a Primeira Guerra Mundial, mas estão em desenvolvimento intensivo desde o final da década de 1940, juntamente com tecnologia de computador, sonar e tecnologia de radar. O Simulador de Navegação e Manobras - SIMNAV - foi desenvolvido pelo ICN em 2011 como uma ajuda para o ensino das aulas preparatórias para o exame PILOT CADET. A primeira turma ocorreu em dezembro do mesmo ano. “Como o primeiro sistema de simulação de pontes desenvolvido inteiramente no Brasil, o SIMNAV também é um marco tecnológico no campo do treinamento marítimo, apresentando algoritmos e arquitetura de sistema únicos. Oferece um ambiente ideal para familiarizar os navegantes com procedimentos de pontes. A estação completa da ponte pode receber grupos de até cinco alunos simultaneamente. O sistema SIMNAV é composto por um console de comando, ECDIS, radar, comunicações e monitores grandes que reproduzem o ambiente virtual fora do navio. Além disso, há uma estação dedicada ao instrutor, focada na criação e monitoramento de exercícios ”, disse Luis Felipe, diretor do programa SIMNAV. CTO: O futuro do treinamento offshore O Centro de Treinamento Offshore (CTO) é um centro de aprimoramento marítimo profissional, localizado em Itaipuaçu, Maricá, na região litorânea do nordeste do estado do Rio de Janeiro, a 60 km da capital. É administrado pelo Instituto de Ciências Náuticas (ICN) e oferece diversos cursos na área de apoio marítimo e marítimo, devidamente credenciados pela autoridade marítima brasileira e por algumas autoridades internacionais. É o único estabelecimento desse tipo no hemisfério sul. Atualmente, o projeto é totalmente funcional e todas as instalações são concluídas: um pátio de exercícios de combate a incêndios e outro para exercícios especializados; um grande tanque de água para prática com embarcações de sobrevivência e salvamento; uma piscina para exercícios de sobrevivência pessoal; anexos operacionais e administrativos; um heliponto; um prédio para salas de aula e simuladores, com capacidade total para 300 alunos, auditório para 200 pessoas e estacionamento para carros e ônibus. Uma área de alojamento também oferece 30 quartos e banheiros, o que permite a acomodação simultânea de 120 alunos, com capacidade expansível para 240 alunos. “Praticamente todos os simuladores no CTO são construídos e desenvolvidos nacionalmente pelo próprio ICN. Eles conseguem virtualizar várias embarcações e atividades de navios como comunicações marítimas (GMDSS), posicionamento dinâmico de embarcações (DP), carga e descarga (FPSOs / Tankers); manobras marítimas (navios / PSVs / AHSVs / rebocadores) e operações de lastro e demarcação. Entre os cursos oferecidos pelo Instituto estão os de operador de lastro, supervisor de manutenção, supervisor de embarcação e gerente de plataforma. Ao todo, em sete anos, mais de 25 mil marítimos receberam certificados emitidos pela instituição e a expectativa é de que esse número aumente significativamente nos próximos anos com o aumento da atividade de exploração do pré-sal e pós-sal ”, disse Felipe. Com novos desenvolvimentos de campos de petróleo já em andamento nas Bacias de Santos e Campos, na costa nordeste e na margem equatorial e com o ressurgimento da cabotagem e o aumento da navegação hidroviária interior, as academias marítimas privadas, como a ICN, serão aumentar o número de marinheiros e oficiais locais formadores para suprir as demandas futuras esperadas dos setores offshore e marítimo no Brasil.
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp