20/10/2018 às 11h36min - Atualizada em 20/10/2018 às 12h02min

Prefeitura de Maricá vai oferecer assistência a famílias de presos e egressos do sistema penitenciário


Um novo projeto da Secretaria de Políticas Inclusivas de Maricá pretende promover assistência e suporte a famílias de presidiários, pessoas egressas do sistema penitenciário e em situação de rua. O trabalho pretende oferecer diversos serviços através de uma equipe técnica, que deverá ter assistentes sociais e jurídicos, psicólogos e educadores sociais, além de direcionamento para o mercado de trabalho. O órgão quer ainda apurar as demandas necessárias de cada caso e pede que famílias de presidiários da cidade procurem o órgão para obter mais informações. A secretaria realizou um levantamento junto à Secretaria Estadual de Administração Penitenciária (SEAP), segundo o qual o sistema penal do estado teria atualmente 590 detentos cujo endereço informado seria de Maricá. Dentre estes, cerca de 470 seriam mulheres e pouco mais de 110 seriam homens. De acordo com a secretária Sheila Pinho, a primeira e mais difícil tarefa do projeto seria desmitificar o olhar da sociedade sobre essas pessoas. “A prisão é algo que estigmatiza muitas vezes mais a família do que o próprio preso. A política que queremos implantar é de humanização, e nosso trabalho terá de ser intersetorial porque vai abranger outros órgãos municipais além do nosso”, projeta Sheila, ao lado do psicólogo e coordenador do projeto, Clauder Peres. “Inicialmente, precisamos rever e confirmar esses dados sobre essas pessoas para, então, referendar os números que temos. Mas o fato de ter uma maioria de mulheres nessa estatística nos dá uma esperança maior de que o projeto funcione como queremos, uma vez que as mulheres têm um cuidado maior com suas famílias e, estando amparadas, não voltarão a cometer crimes. Além de ressocializar, nós cremos que seja possível até reduzir a criminalidade no município através disso”, avalia o coordenador, ao lembrar que o suporte a esses grupos está previsto na Lei de Execuções Penais do país.
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp