publicidade 1200x90
27/04/2021 às 00h54min - Atualizada em 27/04/2021 às 12h31min

Sputnik V: Anvisa nega pedido de importação da vacina

Após cerca de cinco horas de discussão, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) negou, na noite desta segunda-feira, 26, por unanimidade, o pedido de importação excepcional da vacina Sputnik V, feito por dez estados. Técnicos responsáveis por três áreas da agência foram contra a autorização devido à falta de dados sobre segurança e eficácia. Segundo eles, a permissão pode colocar em risco a vida de milhões de brasileiros.

Os técnicos da Anvisa criticaram os estudos apresentados pela Sputnik V. Entre os critérios apontados, estão a indefinição de período para realizar o teste PCR, que detecta a Covid-19, dos sintomas apresentados e dos tipos de amostras clínicas que seriam coletadas. Esse fato poderia influenciar no registro de falsos negativos e impactar na taxa de eficácia da vacina.

Eles indicaram que os estudos não analisaram os eventos adversos por faixa etária ou pessoas com comorbidades, o que também prejudica o fornecimento de dados sobre a segurança do imunizante.

O diretor-presidente da agência, Antônio Barra, não aceitou as críticas à agência e as acusações de insensibilidade em relação ao cenário da pandemia no país. Segundo ele, a Anvisa está cumprindo sua missão de zelar pela saúde da população.

Mais cedo, na tarde desta segunda-feira, o perfil oficial da vacina pressionou a agência pela aprovação: "Prezada @anvisa_oficial, não temos tempo a perder – deixe-nos começar a salvar vidas no Brasil. Juntos. A Sputnik V foi autorizada em 61 países com uma população de mais de 3 bilhões de pessoas."

Na semana passada, a Anvisa recorreu ao STF para solicitar a suspensão do prazo de análise. A Corte também concedeu liminares favoráveis aos 10 estados, além das cidades de Maricá e de Niterói, no Rio de Janeiro, já pediram a importação à Anvisa.

Com a negativa da importação da vacina, posicionada pela Anvisa, as cidades de Maricá e Niterói irão acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar reverter a decisão.  


Notícias Relacionadas »
Comentários »
publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp