publicidade 1200x90
01/12/2021 às 11h31min - Atualizada em 01/12/2021 às 11h28min

Maricá recebe 250 respiradores mecânicos não invasivos

O município irá patentear o aparelho

Jade Carvalho - leisecamarica.com.br

A Prefeitura de Maricá, através do Instituto de Ciência, Tecnologia e Inovação de Maricá (ICTIM) e da Secretaria de Saúde, recebeu 250 aparelhos de respiração mecânica não invasivos para equipar os hospitais municipais Dr. Ernesto Che Guevara e Conde Modesto Leal na manhã desta terça-feira, 30. 


Os aparelhos - que foram desenvolvidos pela empresa Tracel Industrial, Comércio e Serviços - serão patenteados pelo município. O investimento da prefeitura com a aquisição dos aparelhos de respiração é de cerca de R$ 1,1 milhão.


O equipamento de ventilação não invasiva foi a primeira encomenda tecnológica feita por meio do Código Nacional de Ciência e Tecnologia e da Lei de Inovação. A cerimônia de entrega dos respiradores foi no Cinema Henfil, no Centro de Maricá. 


O equipamento se assemelha a um capacete de astronauta com cabos acoplados ao respirador. Ao inserir sobre a cabeça do paciente, não há necessidade do médico utilizar a técnica de intubação, que é invasiva. O respirador mecânico não invasivo gera pressão que joga o oxigênio dos cilindros diretamente para dentro dos pulmões do paciente.


Fábrica de respiradores em Maricá


A iniciativa em inovação passou a ser diretriz do ICTIM na aquisição de compras públicas e de seus parceiros no desenvolvimento de projetos. Também está prevista a construção de uma fábrica da Tracel em Maricá, com a oferta inicial de 20 empregos diretos e indiretos na linha de produção. A prefeitura poderá receber pela venda dos produtos desenvolvidos pela empresa.


“A solução do desenvolvimento deste aparelho de respiração mecânica não invasiva foi uma experiência inovadora, utilizando a capacidade de compra do município, por meio de uma encomenda tecnológica”, destacou o diretor-presidente do ICTIM, Celso Pansera. 


“Nosso objetivo é ajudar a moldar uma nova economia para Maricá, mais moderna, inclusiva e tecnológica. O primeiro passo já está dado”, acrescentou.


Para a Secretária de Saúde, Solange Oliveira, o projeto reafirma a identidade do município.


“É motivo de muito orgulho ver a cultura da produção do conhecimento ser implantada em Maricá. A parceria com a secretaria e seus técnicos permitiu desenvolver essa nova tecnologia. A soma das ações dos entes públicos produzirá muitos resultados que contribuirão para a qualidade de vida das pessoas”, afirmou. 


O Subsecretário de Ensino e Pesquisa da Secretaria de Saúde, Dr. Marcelo Velho, também participou do evento.


O estudante Fausto Beltrão, de 32 anos, foi um dos atendidos com o respirador não invasivo durante teste do aparelho no Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara. Com um quadro grave de Covid-19 à época, Fausto reforçou que o equipamento foi essencial para ser tratado de forma mais eficaz e humanizada.


“Minha experiência com esse equipamento foi incrível. Não sofri qualquer desconforto e pude me comunicar com a equipe de enfermagem, tudo isso em um hospital excelente, com toda a estrutura. Tive 75% dos pulmões comprometidos e o respirador não invasivo me ajudou a superar”, garantiu.


O Secretário de Governo, João Maurício, relembrou o esforço da gestão para a abertura do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara no início da pandemia.


“Foi um trabalho coletivo, árduo para colocar o hospital funcionando e agora vemos o quanto valeu a pena o esforço após ouvir o depoimento do Fausto. Tenho certeza que esse capacete servirá de exemplo e de modelo para outras cidades”, declarou, saudando as equipes de profissionais da saúde e do ICTIM.


Durante a solenidade, o presidente de inovação da empresa parceira, Hugo Villela de Miranda, fez a demonstração de utilização do aparelho com o auxílio do estudante Fausto Beltrão.


Benefícios da ventilação mecânica não invasiva


A solução oferece mais conforto para o paciente e facilita o atendimento do profissional de saúde. A ventilação não invasiva (VNI) foi amplamente utilizada no manejo de pacientes selecionados com quadro agudo de insuficiência respiratória durante a pandemia da Covid-19. 


As principais vantagens da VNI foram a prestação de assistência ventilatória por meio de técnicas que não contornem as vias aéreas superiores, evitando os efeitos colaterais e complicações relacionadas à intubação.


“A concretização desse instrumento pouco invasivo oferece ao nosso paciente uma oxigenação sem desconforto. Nós vimos isso na prática com o paciente e medimos a qualidade e as várias etapas da falta de ar. É fundamental trazer e incorporar novas tecnologias em saúde para a cidade de Maricá”, afirmou o médico Dr. Jorge Francisco da Cunha Pinto, do Hospital Municipal Dr. Ernesto Che Guevara, que participou da pesquisa.


Notícias Relacionadas »
Comentários »
publicidade 1200x90
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp