Sem salário há dois meses, profissionais de saúde fecham emergência do Hospital Alberto Torres


LSM – Um dos hospitais que mais recebem pacientes maricaenses vítimas de acidentes, o Hospital Estadual Alberto Torres (HEAT), no Colubandê, em São Gonçalo, está com a emergência fechada. A suspensão de atendimentos na emergência da unidade de saúde aconteceu por conta do atraso dos salários dos profissionais que trabalham no local.

Sem receber desde maio, médicos, maqueiros, enfermeiros estão vivendo uma situação crítica e, segundo funcionários, alguns precisam ir ao hospital para fazer as refeições. O HEAT é administrado pela OS Lagos Rio, que é atualmente investigada na Operação Padrão, contra fraudes na área da Saúde.

Na última semana, funcionários da unidade protestaram em frente ao hospital pedindo o pagamento dos salários e das passagens e ameaçaram não trabalhar nos plantões do último fim de semana se não recebessem os pagamentos. Após isso, os funcionários exaustos de implorar por seus salários não irão trabalhar e a emergência da unidade está fechada.

Hoje, a SES informou que, na última sexta-feira (3), foi autorizado um repasse de R$ 66 milhões para pagamento de salários de várias unidades de saúde da rede estadual, entre elas o Hospital Estadual Alberto Torres. Segundo a Secretaria, os valores estarão disponíveis para a OS responsável ainda nesta semana.

Os profissionais relatam tristeza em viver essa situação em uma pandemia.

”É inadmissível que no meio de uma pandemia o principal hospital de São Gonçalo esteja com as portas fechadas por falta de pagamento” afirma uma profissional.

Muitos moradores de Maricá trabalham na unidade de saúde e ficaram se deslocando de uma cidade para outra, sem receber salário e passagem por dois meses, tirando de seus próprios bolsos.

error: Conteúdo protegido!