Vereador Dr. Richard (PT) defende os protestos pelo corte de verbas na educação


O vereador Dr. Richard (PT) se pronunciou em defesa da manifestação da educação durante a sessão ordinária da Câmara Municipal, nesta quarta-feira, 15.

Dr. Richard subiu na tribuna e iniciou o seu discurso rebatendo as declarações dos vereadores da oposição. O parlamentar retrucou a fala de um vereador, que denunciou os problemas nas escolas de Maricá, citando que a manifestação seria mais um dia sem aula.

“O que eu acabo de ouvir é uma enorme contradição. Chegar aqui e falar que a escola precisa daquilo, cobrar melhoria na educação e ao mesmo tempo defender o corte de 30 % dos investimentos. Eu não consigo entender essa matemática, para mim, não fecha.” Comentou o parlamentar.

De acordo com o vereador, a decisão do governo em cortar parte da verba da educação se trata de uma perseguição ideológica e não, ocasionado pelo desempenho, como justificado pelo Ministro.

“Na verdade, o que o governo Bolsonaro fez foi uma perseguição ideológica. Todo mundo sabe que afeta diretamente os cursos da área de ciências humanas, principalmente filosofia e sociologia. O senhor ministro teve a cara de pau de falar que é por causa do desempenho nas nossas universidades, mas como é que ele quer que aumente o desempenho nas universidades, se ele está cortando os investimentos? Se não paga bem os professores? É uma inverdade, eu estudei na UFRJ, e eu sei que metade daquele prédio caiu, tá no chão. Cadê o investimento?

Richard afirmou que o corte que está sendo proposto pelo Governo Federal causará sofrimentos aos estudantes do IFF de Maricá, e por isso, é a favor da manifestação.

“Maricá está sofrendo. Isso é uma máscara e máscara tem que cair. Nós tivemos alunos que estudam lá no IFF, Instituto Federal Fluminense – que é federal – e estamos sofrendo, os nossos alunos vão sofrer com esse corte de 30% e ainda acha que não tem ter manifestação? Tem que ter manifestação sim, no Brasil inteiro, tem pressionar contra esse corte de 30%”.

Segundo o parlamentar, a consequência do governo federal será retirar os benefícios conquistados pela classe mais necessitada. Ele afirmou que o Partido dos Trabalhadores irá brigar contra isso.

“Vamos voltar a política que o pobre não pode estudar, que o negro não pode frequentar uma universidade, voltar a política que o pobre não tem direito de nada. Aqui em Maricá tem PT, nós vamos brigar pela educação, vão brigar pela qualidade e Fabiano Horta está no rumo certo “.

REPORTAGEM RELACIONADA

error: Conteúdo protegido!